89 ANOS DE PODER AUTÁRQUICO

26.7.14

"Dia do Barril de Alva" - intervenções dos últimos presidentes da Junta e Assembleia de Freguesia

Durante  o concerto da Filarmónica Barrilense realizado na noite de ontem, dia 25 de Julho, os antigos presidentes da Junta e Assembleia de Freguesia usaram da palavra. Para memória futura,  transcrevem-se os dois documentos.


Intervenção do último presidente da Junta de Freguesia do Barril de Alva, Carlos Alberto Ramos
*
Por ser longo, o texto  argumentário sobre as razões  que levaram  o signatário  Alberto de Moura Pinto, ministro da primeira República, a exercer o direito de propor o projeto de lei aprovado pelo governo no dia 25 de Julho de 1924 prescindimos da sua leitura e transcrevemos apenas o documento histórico de que todos os barrilenses  se orgulham:

Artº 1º - É desanexada da freguesia de Vila Cova Sub-Avô, concelho de Arganil, a povoação do Barril, a qual passará a constituir uma freguesia, denominada Barril de Alva, ficando as duas freguesias delimitadas entre si pelo rio Alva, afluente do Mondego.

Artº 2º - A freguesia de Vila Cova Sub-Avô passará a denominar-se Vila Cova de Alva.

Artº 3º - Fica revogada a legislação em contrário.

A data que hoje recordamos tem a simbologia  que a História confere aos grandes momentos vividos por um povo que deseja caminhar pelo seu próprio pé. Não há nesta frase qualquer analogia   com a opressão de outro povo; enquanto lugar da freguesia de Vila Cova de Sub - Avô, a povoação do Barril, como era designada, nunca deixou de se tornar grande, não alargou fronteiras, mas económica e socialmente, sim – foi enorme! Por isso mesmo, Moura Pinto argumentou que : “… atingiu a sua maioridade e a de Vila Cova não carece dela para a sua vida, e só a independência administrativa garantirá a boa ordem, a calma nos espíritos e o regresso aos bons tempos de harmonia…” .

Como se vê, o Baril de Alva cresceu – cresceu a ponto de ter mais residentes do que o lugar de Vila Cova (não da soma da totalidade dos lugares que compunham a freguesia).

Em 1924 residiam no lugar do Barril 485 pessoas; com a independência administrativa e mais tarde religiosa, a população aumentou: em 1940 havia 508 residentes, em 1950, 510 e em 1960, 491.

Durante cinquenta anos, o Barril de Alva assumiu-se como terra de progresso e bem estar, graças  à benemerência de alguns do seus filhos dilectos.

Com a revolução de Abril, chegaram as mais valias do Estado através do poder local e manteve-se a intervenção cívica da União e Progresso do Barril de Alva, com sede  em Almada, a quem se devem alguns dos melhoramentos da então Freguesia. Andou bem a União e Progresso quando em 25 de Julho de 1965 ergueu um monumento no Barril de Alva, honrando o bairrismo e  benemerência dos Barrilenses.

Com a reforma do poder local que levou à perda da independência administrativa no ano transato, o Barril de Alva sentiu que lhe cortaram as asas, logo agora que ventos de mudança faziam desta bonita localidade um local virado para a indústria do Turismo através de nichos de mercado que colocaram um ponto do mapa de Portugal nas rotas da comunidade autocaravanista europeia, e passou a dinamizar a prática escutista a níveis nacionais.

Feita a sementeira dos projetos  da extinta Junta de Freguesia, em boa hora  o executivo da União das Freguesias de Côja e Barril de Alva os tornou seus, dinamizando-os a um grau  de superior qualidade.

Assim sendo, projetando o próximo futuro, há a certeza de que o Barril de  Alva não vai deixar de assumir  a sua importância  na vida da União das Freguesias, comungando da  prática generalizada dos bons costumes   das gentes  que fazem parte  desta nova autarquia.

O Barril  de Alva está bem vivo: está nas mãos dos barrilenses pugnar pelo futuro e bem estar das instituições que alberga no seu espaço territorial: ”Águias do Açor”, equipa desportiva amadora de BTT, “Caracol ao Sol”, creche e pré primária,  “Centro de Dia”, e Associação Filarmónica Barrilense, instituição centenária e menina bonita dos nossos olhos.

Se agora fizermos um pouco de alguma coisa pela comunidade a que pertencemos, seremos um povo ainda mais orgulhoso do seu passado.

Dos que  virão depois de nós esperamos merecer  boa lembrança nos dias  25 de Julho  de todo o sempre pela obra que formos edificando,

Hoje é o nosso dia - o dia do Barril de Alva!

Viva o Barril de Alva!


 Intervenção do último presidente da Assembleia de Freguesia do Barril de Alva
*
Será que sou livre de poder manifestar os meus sentimentos que me parecem justos e humanos, sobre o que me vai na alma, ou enganei-me quando acreditei na liberdade, na honestidade e nos valores democráticos, em resumo, que justificaram a revolução de Abril?

Como homem livre, entendo, que não devo ausentar-me da defesa destes valores – o que não acontece com a maioria dos políticos, cada vez mais distantes destes princípios, descarada e escandalosamente próximos de um tempo em que imperava o medo, a coação, a represália sobre os cidadãos de espírito livre e do livre pensamento.

Alguns de nós, idealistas, utópicos e sonhadores, continuamos a acreditar que  é possível e urgente regressar aos valores de Abril. Foram homens e mulheres com esses ideais que, na minha aldeia - no meu Barril de Alva - recuperaram o edifício da  antiga escola, e agora está linda…
- que   recuperaram o  Urtigal, semi abandonado, e agora está lindo…
- que  recuperaram toda a zona envolvente da ponte, e agora está linda…
- que ergueram um parque para autocaravanas, gabado por todos que o utilizam, levando nome do Barril de Alva  à Europa inteira…
- que recuperaram fontanários, requalificaram o largo da escola,  decidiram  e fizeram aprovar a toponímia do Barril de Alva, ergueram um novo Centro de Dia, criaram postos de trabalho, etc, etc.

É importante que  se fale da obra feita pelos homens de bem de ontem e de hoje; como é importante recordar os autarcas que passaram pela extinta freguesia, de que orgulhosamente fiz parte como presidente da Assembleia.

Servir a causa pública é uma obrigação de qualquer cidadão; foi assim no passado, é assim  no presente e terá de ser assim no futuro para que  a data que hoje comemoramos permaneça como marco histórico,  comemorado  ao abrigo dos valores democráticos de Abril.

Por mim, como cidadão e barrilense, enquanto puder, jamais deixei de  cumprir com esses desígnios, apresentando ideias, discutindo projetos para glória da terra onde nasci.

Viva o Barril de Alva

6.11.13

"A Comarca de Arganil" destaca obra feita

 "A Comarca de Arganil" do passado dia 31 de outubro publicou um extenso artigo sobre  o trabalho desenvolvido nos últimos quatro anos pelo finado executivo da ex Freguesia do Barril de Alva. Mais do que alimento para o ego do trio que alindou, recuperou e inovou o Barril de Alva, esta peça  do centenário e prestigiado  semanário, escrita pelo José Moreira, é um documento para memória futura, a juntar a tantas outras que relatam o esforço, vontade e sacrifício dos barrilenses  "... que por obras valorosas se vão da lei da morte libertando..." - Luís de Camões - Os Lusíadas. ( Perdoe-se a analogia com os heróis de antanho de quem, alguns de nós, apenas herdaram a força da vontade...).
Os membros do último executivo da Junta de Freguesia do Barril de Alva limitaram-se a cumprir o seu dever num tempo que foi o último de oitenta e nove anos de História.

5.8.13

Urtigal de "cara lavada"

Zona de grelhados com mesa  comunitária e "mirante" sobre o rio Alva
Novo acesso ao caneiro
Chão forrado a xisto
... a caminho do caneiro
Canal onde estavam instaladas as noras que faziam mover os engenhos da moenda e do lagar
Depois de limpas, as ruínas seculares mostram sinais que avivam  memórias 
No "Dia da Árvore" foram plantadas mais de cem espécies de plantas na Área de Serviço para Autocaravanas e no Urtigal; à beira do caminho de acesso ao rio, os pinheiros mansos "fazem pela vida"...
Área de de lazer encerrada ao trânsito para maior comodidade dos utentes